Tendências e desafios da carreira do Desenvolvedor de software

0
Share

Confira a seguir quais são as tendência, desafios, e salário dos desenvolvedores de softwares e saiba como encontrar a oportunidade ideal na Revelo.

Pensando em se tornar um desenvolvedor de software?

Por ser focada em programação, essa carreira é apontada como uma das mais promissoras para os próximos anos e tem uma remuneração acima da média do mercado.

Mas a trajetória até se tornar um desenvolvedor de software reconhecido exige perseverança de quem se propõe a ganhar a vida programando.

É por isso que uma boa preparação pode fazer a diferença antes de aderir à profissão.

Neste artigo, você vai entender quais são as principais decisões a serem tomadas para seguir essa profissão e terá uma prévia dos desafios que enfrentará ao longo da carreira.

De bônus, ainda poderá conferir as principais tendências da área e ficar por dentro do mercado. Pronto para encarar os códigos? Então vamos lá. 

Desenvolvedor de software: mercado em expansão

O desenvolvedor de software é o profissional que lidera o ranking das 100 melhores profissões da U.S. News & World Report em 2019.

Os critérios incluem alta remuneração, equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, oportunidade de crescimento e potencial de expansão da área.

O principal motivo elencado pela plataforma foi a onipresença do desenvolvedor de software por trás de absolutamente tudo que se refere à tecnologia – do despertador do smartphone até o home banking da sua instituição financeira favorita.

Não por acaso, a inserção desses profissionais no mercado de trabalho só tende a aumentar.

De acordo com estimativa do The Bureau of Labor Statistics (Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos), a oferta de vagas destinadas a desenvolvedores de software deve crescer pelo menos 21% até 2028, muito acima do esperado para outras carreiras.

Confira a seguir quais são as tendências de mercado, atribuições e salário dos desenvolvedores de softwares e saiba como encontrar a oportunidade ideal na Revelo.

6 tendências do mercado de desenvolvimento de software

Se você pretende disputar uma vaga de desenvolvedor de software, saiba que acompanhar o mercado de perto é um requisito obrigatório na área.

Confira 6 tendências e fique atualizado.

1. Domínio da Inteligência Artificial 

O desenvolvimento de softwares baseados em Inteligência Artificial (IA) não é uma novidade no mercado, mas vai tomar proporções inéditas nos próximos anos.

De acordo com as previsões do Statista, o crescimento do mercado de IA deve ultrapassar os impressionantes 154% no mundo todo, movimentando mais de US$ 14,7 bilhões.

Logo, esse tipo de tecnologia não é mais uma tendência, e sim uma força dominante no mercado de desenvolvimento. 

As aplicações são inúmeras: chatbots para lojas virtuais, veículos autônomos, automação de processos em negócios, análises preditivas de consumo, avaliações de risco automáticas, etc.

2. Aumento da demanda para soluções IoT

O IoT (Internet of Things, ou Internet Das Coisas) está dando seus primeiros passos no Brasil, mas é provável que em breve os desenvolvedores tenham uma alta demanda para aplicativos e softwares desse segmento.

Afinal, já temos geladeiras inteligentes, assistentes de voz, smartwatches e lâmpadas que se conectam entre si e necessitam de aplicações específicas para explorar o potencial dessa tecnologia.

De acordo com dados do Statista, teremos cerca de 75,44 bilhões de dispositivos IoT conectados até 2025 no mundo todo. 

Ou seja: não vai faltar trabalho para os desenvolvedores especializados na área. 

3. Chegada do 5G

A tão aguardada tecnologia 5G está chegando, e os desenvolvedores já foram convocados para projetar as novas aplicações. 

A TIM, por exemplo, já conta com dois polos de testes no Brasil e está disponibilizando o ambiente de aplicações para startups selecionadas. 

Em entrevista à Época, o VP de tecnologia da empresa, Leonardo Capdeville, conta que as primeiras aplicações serão desenvolvidas para a indústria e mobilidade urbana. 

Oficialmente, as faixas de frequência 5G serão liberadas em 2020, após o leilão da Anatel — mas é bom ir se preparando para o novo cenário.

4. Ascensão dos Progressive Web Apps (PWAs)

Os Progressive Web Apps (PWAs) vieram para ficar e prometem combinar o melhor da experiência mobile com a praticidade do navegador.

Trata-se de um novo modelo de desenvolvimento web, que entrega a interface de um aplicativo no formato de um site, com funcionamento perfeito em qualquer dispositivo, sistema operacional e formato de exibição. 

Logo, os desenvolvedores devem se preparar para a padronização dos PWAs, focando na criação de tecnologias flexíveis, seguras, engajáveis e acessíveis. 

5. Inovação com as experiências imersivas

Para os próximos anos, os desenvolvedores devem incluir as experiências imersivas com realidade aumentada (RA) e realidade virtual (RV) no seu radar.

De acordo com os dados do Statista, esse mercado deverá superar os US$ 160 bilhões até 2023 — quase o dobro da receita atual. 

Os segmentos são inúmeros, mas ganham destaque os aplicativos baseados no reconhecimento de imagem e aplicativos baseados em localização com apoio de GPS (como o fenômeno Pokémon Go).

Além disso, essas tecnologias vão muito além do entretenimento e se aplicam a soluções para diversos mercados, proporcionando desde demonstrações de produtos até ferramentas de comunicação avançadas.

6. Consolidação do blockchain

O blockchain, muito além do mercado de criptomoedas, já se estabeleceu como uma tecnologia essencial para aumentar a segurança na troca de informações digitais.

Para os desenvolvedores, há inúmeras oportunidades para desenvolver soluções para governos, bancos, empresas de tecnologia e outros segmentos que já se apropriam da criptografia para melhorar a confiabilidade e transparência dos processos.

As maiores demandas devem ser na área de pagamentos e transferências, contratos inteligentes, armazenamento em nuvem descentralizado e sistemas para cadeia de suprimentos. 

7 desafios da carreira de desenvolvedor de software

Uma das explicações para a profissão de desenvolvedor de software ser tão promissora está na sua especificidade: é preciso dominar os códigos.

Durante a sua vida escolar, você provavelmente não teve acesso a linguagens de programação, mas deve ter passado boas horas analisando as regras gramaticais e decorando o verbo to be, não é mesmo?

A escassez de conhecimento a respeito de como funciona um site, como se desenvolve um aplicativo e como se corrigem problemas em bancos de dados, redes e softwares está na raiz da valorização desses profissionais pelo mercado.

Mas a demanda superior à oferta não vai garantir que você tenha uma carreira de sucesso como desenvolvedor de software.

Para isso, será necessário tomar algumas decisões e superar diversos desafios. 

Confira:

1. Dominar a linguagem

O primeiro passo para se tornar um desenvolvedor de software é aprender a lógica de programação e, em seguida, conhecer a fundo uma linguagem.

Para aprender isso, há cursos de graduação como Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Sistemas da Informação, Engenharia da Computação ou Ciências da Computação.

Mas há também muitos cursos técnicos e até programas de aprendizado dentro das empresas, que recrutam talentos e os ensinam a programar conforme necessidades específicas dos clientes.

2. Ter visão do todo

É um desafio e tanto conhecer pelo menos um pouco das múltiplas tecnologias e frameworks que cercam um desenvolvedor de software, como banco de dados, sistema de testes, redes, sistemas operacionais, front-end e back-end, etc.

Isso é importante porque aumenta sua capacidade de comunicação com outras áreas e o transforma em um profissional mais versátil – e valioso.

3. Ser especialista

Não basta conhecer um pouco de tudo, é preciso se aprofundar e se tornar especialista em alguma linguagem de programação.

As opções mais populares são as voltadas a smartphones, como Android e iOS, e as que permitem desenvolver softwares em geral, propondo soluções mais abrangentes, como Java, Ruby, Node.js, Python, C#, PHP e C++.

A opção pela linguagem mais apropriada vai depender do seu objetivo na carreira, das suas aptidões como programador e da evolução das tecnologias, o que nos leva ao próximo tópico.

4. Manter-se atualizado

Poucas profissões exigem nível tão alto de atualização do profissional quanto a de desenvolvedor de software.

Há profissionais especialistas em linguagens ultrapassadas, que podem se tornar obsoletas nos próximos anos, como o COBOL.

Para eles, não há alternativa: é necessário aprender outra linguagem, sob pena de se tornar um desenvolvedor menos útil ao mercado.

Há outros exemplos: em cursos de cinco ou seis anos, a linguagem que o estudante aprende no início da graduação pode estar ultrapassada quando ele se formar.

Por tudo isso, a constante atualização é um desafio permanente na profissão.

5. Interagir com o cliente

Não pense que o fato de trabalhar com códigos em frente a um computador faz do desenvolvedor de software uma profissão solitária ou distante do produto final.

Para alcançar os melhores resultados e aperfeiçoar as soluções oferecidas, o diálogo com o cliente é rotineiro.

E aí entra mais um desafio: interpretar a necessidade do cliente e propor a solução de melhor custo-benefício.

6. Viver em constante adaptação

Em um universo de atualização constante como a tecnologia, a vida do programador também é impactada.

Projetos começam e são encerrados em questão de semanas.

Startups surgem, cumprem o seu propósito e deixam de existir.

A demanda de trabalho varia, as equipes mudam, a estrutura se transforma.

Profissionais freelancers têm uma rotina ainda mais imprevisível, atuando ora em coworkings, ora em home office e ora na sede da empresa.

Por outro lado, se você sempre quis se tornar um nômade digital, esse é um caminho promissor. 

7. Alcançar a fluência no segundo idioma

Para o desenvolvedor de software, a língua-mãe é o inglês

Quanto mais aprofundado se torna o seu conhecimento, menos recursos estarão disponíveis em português, das features do sistema até o próprio código de programação.

Além disso, para encontrar soluções para problemas específicos, a alternativa mais popular são os fóruns de tecnologia, que reúnem programadores de todos os continentes.

E o idioma comum, você já sabe, é o inglês.

Salários dos desenvolvedores de software

A média salarial dos desenvolvedores de software no Brasil varia de acordo com o nível hierárquico. Confira a seguir:

  • Desenvolvedor Junior (1 a 2 anos de experiência) se concentram nas faixas salariais até R$ 4000.
  • Desenvolvedores Pleno (3 a 6 anos de experiência) faixa salarial entre R$ 4000 e R$ 6000.
  • Desenvolvedores Sênior (5 a 8 anos de experiência), em geral os salários são acima de R$10.000.

O salário médio de desenvolvedor de software nos EUA é de US$ 100.000 por ano ou US$ 51,28 por hora. As posições de nível de entrada com os desenvolvedores Junior começam em $ 77.464 por ano, enquanto os profissionais mais experientes ganham até $ 137.491 por ano.

Em 2021, segundo dados da Statista os desenvolvedores de software que trabalham como executivos seniores nos Estados Unidos tinham um salário médio de cerca de 177,5 mil dólares por ano, tornando-se o trabalho mais bem pago para desenvolvedores de software nos EUA. 

Encontre sua vaga de desenvolvedor de software na Revelo

Agora que você está preparado para a realidade do desenvolvedor de software, já pode começar sua busca pela vaga ideal.

Mas, como ocorre nas profissões mais valorizadas do mercado, os profissionais não procuram emprego da forma tradicional.

Na verdade, as empresas é que vão até eles — e disputam os mais experientes com suas melhores ofertas.

Se você também quer ser encontrado pelos recrutadores, é só fazer seu cadastro no marketplace de talentos da Revelo e aguardar os convites para entrevistas.

Related Posts