Design thinking no RH: o que é, vantagens e como aplicar em 5 etapas

0
Share

Aplicar o design thinking no RH significa agregar criatividade e inovação aos processos da área.

Se você imaginou o ato de “pensar como um designer”, chegou bem perto da proposta.

Basicamente, estamos falando de uma metodologia que permite criar soluções focadas em pessoas, partindo da experiência humana para resolver problemas e traçar estratégias.

Se ainda não ficou claro, não se preocupe: vamos explicar tudo sobre o design thinking no RH, suas vantagens e etapas de aplicação.

Continue lendo e desvende esse conceito

O que significa design thinking no RH?

Antes de explorar o que significa design thinking no RH, precisamos entender melhor esse conceito.

O design thinking é uma metodologia criativa que utiliza o “modo de pensar do design” para solucionar problemas e inovar em qualquer área de negócios.

Seu grande diferencial é o foco na experiência humana, que é o ponto de partida para o desenvolvimento de soluções e estratégias.

Nas palavras de Tim Brown, CEO da IDEO (empresa responsável pela popularização do design thinking), o conceito se resume em:

“[…] uma abordagem de inovação centrada no ser humano que utiliza o kit de ferramentas do design para integrar as necessidades das pessoas, as possibilidades tecnológicas e os requisitos para o sucesso dos negócios”.

Ou seja: as empresas adotam o ponto de vista do designer para criar produtos, serviços, processos e estratégias, usando a tecnologia e os recursos disponíveis para melhorar a experiência humana — tanto no sentido funcional quanto estético.

No RH, essa metodologia pode ser usada para atender às necessidades de todos os públicos envolvidos: colaboradores, candidatos e gestores. 

Qual a vantagem de usar o design thinking no RH?

O design thinking no RH oferece uma nova dimensão para a solução de problemas e inovação nessa área.

Basicamente, a metodologia permite compreender todos os passos da jornada de candidatos e colaboradores, além de fornecer ferramentas para melhorar a experiência de ponta a ponta.

Para você entender melhor, o processo de design thinking envolve etapas de imersão na realidade das pessoas, geração de ideias, prototipação e experimentação, por exemplo — tudo para chegar a uma solução única, criativa e focada nas necessidades humanas.

Com isso, o RH pode usar o pensamento do design para criar uma experiência do candidato diferenciada, entender as expectativas dos colaboradores para melhorar a taxa de retenção, ou mesmo otimizar a gestão de competências dentro da organização.

Esses são apenas alguns exemplos, mas praticamente qualquer processo pode ser melhorado com o design thinking. 

Não à toa, 46% dos líderes de RH já estão utilizando o design thinking para agregar valor à empresa, de acordo com o relatório Future of RH 2020, publicado em 2019 pela KPMG. 

Ao adotar a metodologia, é possível explorar mais a fundo as expectativas dos candidatos, gestores e colaboradores, e também personalizar experiências

Assim, a empresa eleva seus níveis de engajamento, aumenta a capacidade de atração e retenção de talentos e ainda garante o melhor desempenho de seu capital humano.

Já vamos entender como aplicar o design thinking no RH e obter esses resultados.

As 5 etapas do design thinking no RH

Agora sim, podemos falar das etapas do processo de design thinking no RH, inspiradas no framework básico da metodologia.

Siga os passos a seguir para aplicar na sua empresa.

1. Empatizar

O primeiro passo para qualquer processo de design thinking é compreender a fundo as pessoas envolvidas na situação e empatizar com suas necessidades, dores e desejos.

No RH, esse início pode ser um estudo aprofundado do comportamento dos candidatos para criar um processo seletivo mais eficiente, ou uma pesquisa interna para investigar as motivações dos colaboradores e melhorar o clima organizacional.

2. Definir

Depois de ouvir atentamente as pessoas, o próximo passo é definir qual é o problema a ser resolvido com o design thinking no RH.

Por exemplo, você pode descobrir que os candidatos querem um processo mais rápido e com opções de entrevista a distância, ou que os colaboradores sentem falta de ações de reconhecimento da liderança.

3. Idear

A ideação é o momento de gerar ideias a partir das descobertas feitas até aqui, buscando uma solução para os problemas encontrados.

Aqui, você pode usar o bom e velho brainstorming para gerar ideias inovadoras e criar uma lista com as mais relevantes.

Seguindo os exemplos anteriores, você pode concluir que a melhor solução é digitalizar o processo seletivo e implementar entrevistas online, ou criar um programa de incentivo e reconhecimento interno.

4. Prototipar

Prototipar no design thinking significa materializar sua solução, colocando suas ideias em prática e permitindo que as pessoas interajam com elas.

No caso do RH, você pode criar o escopo de um programa de reconhecimento, desenhar um novo processo seletivo, planejar um novo modelo de avaliação de desempenho, etc.

Dessa forma, a equipe pode avaliar melhor a solução proposta e decidir se segue para a etapa final.

5. Testar

Por fim, a última etapa do processo de design thinking no RH é testar as soluções criadas na prática.

Se possível, você deve começar com uma versão mais simples da solução e coletar o feedback das pessoas para ir fazendo ajustes, em um ciclo contínuo de aprimoramento.

No caso, você pode testar um novo programa de treinamentos ou incentivo com um grupo de colaboradores selecionado, por exemplo, ou realizar testes A/B para decidir qual o conteúdo é mais atrativo para recrutar candidatos online. 

O importante é continuar melhorando a experiência, retornando às etapas anteriores sempre que necessário. 

Tecnologia para aplicar o design thinking no RH

É muito mais fácil aplicar os conceitos de design thinking no RH quando você tem o apoio da tecnologia.

Afinal, você vai precisar de ferramentas para ouvir as pessoas, coletar dados, desenhar processos, entre outras tarefas.

Se você está pensando em usar o design thinking para melhorar a experiência do candidato, por exemplo, pode contar com tecnologias como a da Revelo.

Nossa plataforma utiliza um sistema de machine learning para selecionar os melhores candidatos para a sua vaga, cruzando os requisitos com as competências.

Assim, você pode reduzir em até 70% o tempo de contratação e garantir um processo mais ágil e certeiro — do jeito que os candidatos querem. 

Entendeu como o design thinking no RH pode otimizar seu trabalho e direcionar o foco para as pessoas?

Então, aproveite para colocar as etapas em prática e inovar seus processos

Related Posts