Guia do intraempreendedorismo: 9 passos para assumir sua “atitude de dono” e inovar na carreira

0
Share

O intraempreendedorismo é o novo diferencial que salta aos olhos dos recrutadores — e garante uma vaga nas empresas mais inovadoras.

Você já deve ter se deparado com vagas que buscam profissionais “com atitude de dono”, certo?

É justamente esse o conceito: a prática da inovação e liderança de projetos pelos colaboradores, que tratam a empresa como se fosse seu próprio negócio.

Neste artigo, vamos mostrar o caminho para desenvolver o intraempreendedorismo e alcançar um novo patamar na sua carreira. 

Você vai ver:

  • O que é intraempreendedorismo
  • Qual a origem do conceito
  • Por que as empresas procuram esse perfil
  • 7 características do profissional intraempreendedor
  • 9 passos para se tornar um intraempreendedor
  • Como encontrar um emprego à altura. 

Siga a leitura e desperte seu talento intraempreendedor.

O que é intraempreendedorismo?

Intraempreendedorismo é a versão em português do termo intrapreneur, que significa empreendedor interno

Logo, estamos falando da prática de empreender dentro da empresa, inovando a partir da realidade da organização para melhorar seus produtos, serviços e processos. 

Basicamente, as empresas têm duas opções para buscar novos negócios, soluções e tecnologias:

  1. Externamente: buscando consultorias, fechando parcerias, recorrendo ao crowdsourcing ou mesmo adquirindo startups
  2. Internamente: dando aos colaboradores a oportunidade de liderar os projetos de inovação dentro da empresa e implementar suas ideias com os recursos disponíveis.

Ou seja: ao construir uma cultura intraempreendedora, a empresa encoraja os talentos a usarem seu potencial empreendedor para analisar cenários, identificar oportunidades lucrativas e criar projetos para evoluir o negócio. 

Para os profissionais, é uma grande chance de colocar suas ideias em prática e contribuir com o crescimento da empresa, ao mesmo tempo em que desenvolvem suas competências e ganham experiência. 

Como surgiu o intraempreendedorismo?

Curiosamente, o intraempreendedorismo é um conceito antigo, criado em 1978 pelo empreendedor norte-americano Gifford Pinchot III e sua esposa Elizabeth Pinchot.

O casal escreveu o artigo Intra-Corporate Entrepreneurship para apresentar sua ideia ao mercado, mas o termo só ganhou notoriedade por volta de 1985, quando grandes veículos de negócios começaram a falar sobre o tema.

O próprio Steve Jobs, na época, classificou o time da Macintosh como intraempreendedor e contribuiu para popularizar ainda mais a ideia.

O problema é que as empresas ainda não estavam preparadas para oferecer toda a liberdade de que os profissionais necessitavam para inovar, tampouco estavam dispostas a financiar as ideias de seus colaboradores.

Felizmente, as organizações evoluíram no sentido de compreender a importância do capital humano e reconhecer o intraempreendedorismo como diferencial competitivo.

Uma das empresas que simboliza a ascensão desse conceito é o Google, com sua cultura de inovação interna e a famosa “política dos 20% do expediente”, que orienta os colaboradores a utilizarem 20% do seu tempo para projetos pessoais e novas ideias.

Foi graças a essa iniciativa que surgiram projetos de sucesso como o Gmail e Google Maps, por exemplo, conforme detalhado por Adam Robinson no artigo de 2018 para a revista Inc.

Por isso, cada vez mais empresas seguem a tendência e encorajam o espírito empreendedor de seus colaboradores. 

Por que o intraempreendedorismo é importante para as empresas?

Hoje, os profissionais com perfil intraempreendedor são altamente valorizados e disputados pelas melhores empresas.

E não é para menos, pois a inovação é essencial para a sobrevivência e crescimento dos negócios. 

Prova disso é que a geração de ideias está diretamente relacionada ao progresso das empresas, conforme os resultados de uma pesquisa realizada por Dylan Minor, Paul Brook e Josh Bernoff, publicada em 2017 na MIT Sloan.

As empresas pesquisadas foram capazes de gerar até 500 ideias bem-sucedidas — que foram aplicadas em projetos reais — a cada 1.000 sugestões de seus colaboradores, resultando muitas soluções criativas e uma lucratividade 11% maior no período.

Ou seja: as organizações atuais já têm evidências suficientes de que abrir espaço para o intraempreendedorismo é o caminho para a prosperidade.

E quem se beneficia, nesse caso, são os profissionais preparados para oferecer esse diferencial

7 características do profissional intraempreendedor

Você já entendeu que o intraempreendedorismo é um diferencial e tanto no mercado de trabalho, certo? 

De acordo com o relatório Five Insights into Intrapreneurship, publicado em 2017 pela Deloitte, cerca de 20% dos colaboradores de uma empresa têm potencial para empreender.

Então, será que você está entre os intraempreendedores?

Confira as 7 características desses profissionais disputados.

1. Iniciativa própria

Uma das principais características do intraempreendedor é que ele não espera por ordens para inovar: simplesmente toma a iniciativa.

São profissionais naturalmente inquietos, que enxergam oportunidades ao redor e trazem ideias para a equipe o tempo todo. 

Ao invés de esperar que a empresa crie um programa de inovação, é comum que o próprio intraempreendedor dê os primeiros passos e apresente um projeto para seus gestores. 

2. Criatividade e pensamento “fora da caixa”

Pensar fora da caixa é essencial para o intraempreendedor, que se diferencia pelas soluções criativas. 

Geralmente, esses profissionais se destacam pelo talento de encontrar novas formas de solucionar problemas, como se estivessem em um brainstorming contínuo. 

Por mais complexa que pareça a situação, eles sempre têm um insight na manga. 

3. Visão estratégica

O intraempreendedor também é um estrategista nato, que entende de negócios e procura caminhos para alcançar seus objetivos de forma mais eficiente e eficaz.

Ou seja: é um profissional que combina a criatividade ao planejamento estratégico, buscando formas de viabilizar suas ideias e colocar os planos em prática.

Além disso, ele também tem a eficiência como norte, buscando sempre reduzir custos e aumentar a produtividade com seus projetos.

4. Ousadia e coragem de correr riscos

A prática do empreendedorismo dentro da empresa exige uma boa dose de coragem e ousadia.

Afinal, inovar é sinônimo de correr riscos, e você precisa estar preparado para assumir os possíveis erros durante o processo, lembrando que a empresa estará financiando suas iniciativas.

Em empresas com uma cultura de inovação consolidada, o erro é visto como um aprendizado necessário, mas quase sempre gera custos indesejáveis e exige resiliência do colaborador.

No fim das contas, os mais bem-sucedidos são aqueles que superam os obstáculos e usam as falhas para aumentar ainda mais sua performance. 

5. Perfil de liderança 

Outro traço essencial no intraempreendedor é a liderança, uma vez que ele terá que assumir projetos e influenciar outros colaboradores com suas ideias. 

Com a tendência das estruturas mais horizontais nas empresas, o profissional não precisa, necessariamente, estar em um cargo de gestão para liderar iniciativas inovadoras.

Mas o talento para a liderança deve estar presente, pois é preciso ser capaz de tomar decisões, inspirar pessoas e enxergar além do presente. 

6. Paixão e propósito

A motivação necessária para o intraempreendedorismo vem da paixão e propósito do profissional. 

No caso, estamos falando de um colaborador 100% engajado e comprometido com os valores e objetivos da empresa, que acredita na missão corporativa e se vê como uma peça-chave para o sucesso do negócio.

Afinal, se ele não fosse completamente apaixonado pela empresa, estaria usando o talento empreendedor para abrir seu próprio negócio. 

7. Atitude colaborativa

Por fim, o intraempreendedor sabe que é impossível alcançar seus objetivos sem a cooperação de todos e times multidisciplinares. 

Por isso, ele sabe trabalhar em equipe como ninguém e usa a colaboração como estratégia para implementar suas ideias com sucesso. 

Muitas vezes, esses profissionais utilizam métodos ágeis e abordagens inclusivas para reunir as pessoas em torno de seus projetos e tomar a frente na inovação em sua área. 

9 passos para desenvolver o intraempreendedorismo na sua carreira

Se você quer citar o intraempreendedorismo como diferencial no seu currículo, temos um guia completo para ajudar você a chegar lá.

Siga estes 9 passos e torne-se um intraempreendedor por excelência.

1. Conheça sua empresa a fundo

O primeiro passo para desenvolver uma atitude intraempreendedora é conhecer a fundo a empresa em que você trabalha.

Isso significa conhecer suas soluções, história, missão e valores, processos e estar sempre curioso a respeito das dinâmicas da organização, seus planos e perspectivas.

Afinal, para empreender dentro da empresa, é preciso se envolver profundamente com o negócio e conhecê-lo tão bem quanto o CEO — eis a tal “cabeça de dono”.

2. Comece por melhorias na sua área

Suas primeiras inovações como intraempreendedor devem se concentrar na sua equipe e departamento.

Para isso, você pode investigar maneiras de reduzir custos, poupar tempo, acelerar processos e qualquer medida que facilite o trabalho dos profissionais e traga resultados melhores para a empresa.

Pode ser algo tão simples quanto implementar um software que automatiza funções ou adotar um método de gestão de tarefas colaborativo, por exemplo. 

3. Tenha ideias, mas apresente projetos

Esse é um ponto importante na sua jornada intraempreendedora: você pode gerar muitas ideias, mas deve apresentar projetos

Isso porque, se você apenas mostrar uma enxurrada de ideias, é provável que ninguém consiga visualizar sua aplicação ou leve a sério o suficiente.

Por isso, é importante pesquisar o mercado, planejar, testar e elaborar um projeto completo antes de levar sua ideia à gestão. 

Assim, você estará pronto para responder a objeções clássicas como “isso não vai funcionar”, “é muito arriscado” ou “nós já tentamos isso há dez anos”. 

4. Esteja aberto às sugestões e pronto para os obstáculos

Como intraempreendedor, você também precisa estar aberto às sugestões de outras pessoas para enriquecer suas ideias, deixando que elas se transformem conforme são discutidas pela equipe. 

Além disso, é preciso se preparar para obstáculos como processos burocráticos, hierarquia rígida e falta de verba para novos projetos.

Quanto mais sua empresa estiver inserida em uma cultura de inovação, menores serão essas barreiras — mas também cabe a você promover os benefícios das iniciativas.

5. Aproveite ao máximo os recursos disponíveis

Quando a empresa disponibilizar recursos para você levar seu projeto à frente, foque na eficiência e faça o máximo que puder com o mínimo.

Isso mostra seu comprometimento e preocupação em trazer o maior retorno possível, em troca da confiança em suas ideias.

Se puder, busque outras fontes de financiamento e alternativas para impulsionar seu projeto.

6. Crie e envolva a equipe em seu projeto

Em algum ponto da sua jornada do intraempreendedorismo, você vai ter a chance de reunir uma equipe para transformar suas ideias em realidade.

Quando esse momento chegar, é importante que você seja capaz de promover e envolver as pessoas em seus projetos, de modo que todos acreditem na ideia e se motivem a participar.

Para garantir esse grande passo, lembre-se de desenvolver sua inteligência emocional.

7. Conquiste o apoio da liderança

É fundamental que você tenha aliados na gestão e na alta cúpula da empresas, ou C-level. 

Afinal, quando os líderes acreditam no seu potencial intraempreendedor, você tem muito mais espaço e possibilidades para desenvolver seus projetos. 

Por isso, é importante se aproximar da diretoria e criar relações de confiança dentro da empresa.

8. Seja resiliente com os erros

A principal lição do intraempreendedorismo é que os erros são inevitáveis — o que importa é a forma como você reage a eles.

Logo, não desista na primeira falha e encare os tropeços como um aprendizado valioso.

Nas empresas focadas em inovação, a gestão saberá reconhecer sua disposição em correr riscos e incentivar que você supere os desafios. 

9. Divida o mérito com a equipe

Quando enfim você alcançar o sucesso, não se esqueça de dividir o mérito com a equipe e líderes que participaram da iniciativa.

Assim, você mostra que não pretende centralizar a inovação, mas sim abrir caminho para que mais profissionais liderem projetos e todos possam contribuir com o avanço do negócio.

Quanto mais pessoas estiverem engajadas no intraempreendedorismo, mais inovadora, disruptiva e próspera será a empresa. 

Trabalhe para empresas que valorizam o intraempreendedor

Você só vai desenvolver seu intraempreendedorismo ao máximo se trabalhar para empresas que valorizam a inovação.

Afinal, você pode ter toda a qualificação necessária, mas precisará de oportunidades para criar e implementar suas ideias. 

Por isso, a dica é procurar organizações com uma cultura inovadora, que abram espaço para a circulação de ideias e apoiem os projetos de seus colaboradores.

Na Revelo, por exemplo, você disponibiliza seu perfil para empresas que procuram profissionais acima da média, capazes de empreender e fazer a diferença.

Isso porque nosso marketplace de talentos é voltado aos profissionais de alta performance — e os testes técnicos comprovam suas competências.

Logo, você tem grandes chances de receber convites de empresas inovadoras e conquistar uma vaga sob medida, onde você possa desenvolver todo o seu potencial.

E aí? Entendeu o que significa intraempreendedorismo e por que vale a pena desenvolver essa competência?

Agora é com você: siga nossas dicas e mostre seu diferencial na plataforma da Revelo.

Related Posts