O que não colocar no currículo: 11 erros que você deve evitar

0
Share

Você sabe o que não colocar no currículo na hora de se candidatar a uma vaga de emprego?

Existe uma série de erros que podem fazer com que o recrutador perca o interesse pelo seu currículo ou mesmo o descarte rapidamente.

E você não pode deixar isso acontecer, certo?

Afinal, os recrutadores estão acostumados a avaliar um grande número de candidatos por dia.

Ou seja: só aqueles materiais com apresentação adequada passam no filtro inicial.

Alguns dados que você não deve colocar no currículo são informações em excesso, elogios desmedidos e pretensão salarial.

Mas, então, qual é a estrutura certa para um CV?

É isso que você vai descobrir aqui.

A seguir, descubra o que não colocar no currículo, como acertar em cheio na apresentação e como a tecnologia pode auxiliar nesse processo. Siga com a leitura.

O que não colocar no currículo

Abaixo, confira 11 erros comuns nos CVs, ou seja, tudo que você não deve colocar no currículo.

1. Informações irrelevantes

Em um texto para o site ThoughtCo, Tara Kuther, professora da Western Connecticut State University, diz que hobbies e interesses pessoais são informações irrelevantes que não devem aparecer no currículo.

“Lembre-se de que seu objetivo é se mostrar sério e especialista na sua área. Hobbies podem sugerir que você não está trabalhando duro o suficiente ou que você não é sério quanto à sua carreira”, aconselha.

2. Excesso de detalhes

Apesar de o currículo servir para mostrar as suas experiências de trabalho anteriores, o excesso de detalhes é prejudicial.

O ideal é descrever empregos dos últimos 10 anos, desde que eles façam sentido para a vaga que você está buscando no momento.

Se uma experiência não agrega valor à oportunidade que você deseja, então, essa informação não fará sentido para o recrutador.

3. Reclamações sobre o antigo empregador

Essa é uma prática que deve ser evitada tanto no currículo quanto na entrevista de emprego.

Se você fala mal de um antigo empregador, nada impede que, mais tarde, faça reclamações sobre a empresa na qual deseja entrar  — e os recrutadores levam isso em conta.

4. Dados pessoais irrelevantes

“Informações desnecessárias só vão fazer o recrutador perder tempo na leitura. Pior, vai desviar o foco dos dados que realmente são importantes”, diz Max Gehringer, no livro Acerte na entrevista e no currículo (Gold, 2008).

Os dados pessoais que devem ficar de fora, segundo ele, são estes:

  • Endereço completo (apenas a cidade e bairro é de bom tamanho)
  • Estado civil
  • Número da carteira de habilitação
  • Dados familiares
  • Nomes das escolas em que estudou quando era criança
  • Religião e raça.

5. Elogios genéricos

Se descrever como uma pessoa proativa, organizada, que agrega valor e traz resultado são exemplos de elogios vazios de sentido e que, na verdade, parecem pura enrolação.

Uma pesquisa de 2013 da CareerBuilder aponta quais são as piores expressões para usar em um currículo e o percentual de vezes em que foram utilizadas entre a amostra.

As cinco mais usadas são:

  • Raça (38%)
  • Lutador (27%)
  • Pensar fora da caixa (26%)
  • Sinergia (22%)
  • Proativo (22%).

6. Habilidades obsoletas

A especialista em busca de emprego Alison Doyle ressalta, em um artigo para a The Balance Careers, que as habilidades e atributos no currículo devem ser atuais.

“Se você listar habilidades obsoletas ou irrelevantes para o cargo, isso não irá ajudá-lo a conseguir uma entrevista”.

No mercado tech, por exemplo, incluir domínio em ferramentas ou práticas que nem são mais utilizadas não faz o menor sentido.

7. Pretensão salarial

A não ser que a empresa solicite a pretensão salarial, não inclua essa informação no currículo.

Deixe para falar disso durante a entrevista de emprego, quando o recrutador tocar no assunto.

8. Referências profissionais

As referências profissionais devem ser acionadas somente quando o recrutador pedir.

Você não deve incluir as referências no currículo.

Se o recrutador tiver interesse em falar com elas, pode solicitar a informação antes ou durante a entrevista.

9. Foto

Uma foto não é capaz de mostrar as suas habilidades técnicas, tampouco é uma tendência no recrutamento.

Descartar a foto do currículo é uma forma de priorizar as suas competências, ao invés da aparência.

Mas lembre-se de manter uma imagem profissional no perfil do LinkedIn, pois os recrutadores geralmente passam por lá.

10. Histórico escolar

As notas do seu histórico escolar não contam pontos perante o recrutador, por isso, são desnecessárias.

Informe apenas a universidade em que você é graduado e a data de conclusão de curso, além de cursos importantes que tenha realizado.

11. Usar título “Currículo Vitae”

“Posso reconhecer um CV quando vejo um e confio que os outros também podem. Seu título deve ser o seu nome. E não seja pretensioso: sem títulos ou letras pós-nominais. Apenas seu nome”, diz o consultor de carreiras Steve Joy, em um texto para o jornal The Guardian.

O que colocar no currículo

Bom, agora você já sabe o que não fazer. Vamos descobrir, então, como acertar em cheio e elevar ao máximo a chance de contratação?

Se, por um lado, excesso de informação é prejudicial, por outro, o CV também não pode ser incompleto.

Veja o que é indispensável:

Dados pessoais relevantes

Nunca deixe de fora dados pessoais relevantes e que permitem ao recrutador entrar em contato:

  • Nome completo
  • Nacionalidade
  • Cidade em que mora
  • Telefone
  • E-mail
  • Link para o perfil no LinkedIn.

Objetivo

A premissa básica é personalizar o campo de objetivo conforme a empresa para a qual você irá mandar o currículo.

Customize a frase conforme a vaga disponível, aliando a sua experiência a ela.

Em entrevista para a revista Exame, a especialista em carreiras Eline Kullock aconselha não listar habilidades nesse momento.

“Não cabe a você se autoavaliar, porque quem vai fazer isso é seu entrevistador”.

Qualificações

Esse é o momento de “vender o seu peixe”.

De que maneira você pode auxiliar a empresa?

Uma descrição hipotética para gerente de projetos poderia ser: “Gerente de projetos com experiência em metodologias tradicionais e ágeis. Em cargos anteriores, fiz contribuições para o aumento da produtividade de equipes em 20%”.

Experiência profissional

Nessa sessão, adicione nome da empresa, cargo, breve descrição do trabalho, data de início e fim e resultados alcançados.

Formação acadêmica

São importantes o nome da instituição de ensino, nível de formação (graduação, curso técnico, pós-graduação, por exemplo), nome e duração do curso.

Hard skills

Para vagas de tecnologia, as hard skills (competências técnicas) são o filtro inicial da seleção de candidatos para entrevista.

Inclua todas as competências que fazem sentido para a vaga que você deseja.

Idiomas

Item indispensável, mas é preciso falar a verdade (assim como em todos os outros itens do CV).

Experiências adicionais

Vale mencionar participação em eventos importantes da área (como congressos) e realização de cursos complementares que agregaram conhecimentos valiosos para a sua formação.

Vá além do currículo

O currículo é o “feijão com arroz” para entrar em um processo seletivo, portanto, o ideal é sempre ir além dele.

A primeira dica é investir em um portfólio digital, onde você poderá mostrar os seus melhores trabalhos e convencer o recrutador das suas competências técnicas.

Mas também vale o bom senso: apenas trabalhos relevantes devem estar no portfólio, para o qual você pode incluir um link no currículo.

Também vale fazer um vídeo de apresentação curto, de no máximo dois minutos, porque esse recurso é cada vez mais comum no mercado de tecnologia e gera um contato mais humanizado com o recrutador.

Faça um bom roteiro, utilize cenário e vestimentas adequados,  garanta a qualidade técnica do vídeo (áudio, imagem e edição) e treine antes de ir para a frente da câmera.

Não se esqueça de cuidar das suas redes sociais: o recrutador geralmente dá uma olhada nelas, portanto, descarte tudo que possa prejudicar sua imagem profissional.

Além disso, utilize a tecnologia a seu favor.

Para obter vagas tech alinhadas com o que você busca e muito mais rápido, cadastre-se em uma plataforma de talentos, como a Revelo.

Lá estão presentes os melhores profissionais e empresas, então, você não pode ficar de fora.

A vantagem é que essas plataformas utilizam business intelligence e algoritmos para conectar você às empresas com vagas adequadas ao seu perfil.

E como todo processo seletivo é feito por intermédio da plataforma, você sempre recebe feedbacks em cada etapa.

Que tal fazer um perfil agora mesmo? Cadastre-se na Revelo e encontre as melhores vagas do seu mercado.

Related Posts